Capítulo 2 - O Início de Uma Nova Vida

Na manhã do meu primeiro dia de trabalho senti uma ansiedade tão grande que o meu estômago chegava a doer, devido a duas coisas: primeiramente, eu nunca havia trabalhado antes e não sabia que tipo de trabalho me esperava, e, em segundo lugar, tinha que falar com Bernardo sobre o que acontecera no dia anterior.
Bernardo foi ao meu quarto me chamar por volta das 6 da manhã, mas não comentou nada sobre o acontecido, apenas me disse que iria me esperar na sala para irmos trabalhar. Antes de descer, tomei um banho rápido e vesti algumas roupas limpas. Quando desci estava decidido em lhe dizer que sentia algo muito forte por ele desde que o havia encontrado pela primeira vez, mas foi um pouco diferente do que havia planejado, pois quando cheguei à sala Bernardo se adiantou em falar.

- Felipe, eu queria me desculpar pelo que ocorreu ontem!
- Bernardo, não...
- Me deixa terminar. Escuta, eu passei dos limites e te desrespeitei, mas eu quero que saibas que eu usualmente não ajo dessa maneira, então apreciaria muito se pudéssemos continuar sendo amigos. Eu prometo nunca mais nem tocar neste assunto.
- Bernardo...
- Bom, acho que nós podemos ir trabalhar agora que tudo está esclarecido. Certo?
- Certo. Vamos.

Eu ensaiei tudo o que deveria dizer naquele dia durante muito tempo, mas quando Bernardo começou a falar eu simplesmente não consegui elaborar qualquer frase que fizesse sentido ou mesmo fazer alguma coisa além de assentir com o que ele estava dizendo, então, infelizmente, saímos para trabalhar sem que eu pudesse me declarar para ele.
Quando saímos da casa, caminhamos alguns minutos até chegar a um largo pasto onde podia-se avistar várias ovelhas, então eu entendi o que deveria fazer ali, mas deixei que Bernado me explicasse melhor.


- Bem Felipe, o seu trabalho, por enquanto, é cuidar destas ovelhas, de modo a assegurar que elas estejam a salvo de predadores e verificar quais estão prontas para tosquia e abate. Mas não se preocupe, por que eu vou te auxiliar em tudo isso, e você vai aprendendo ao longo do tempo.
- Que bom Bernardo, por que eu não entendo absolutamente nada sobre isso, Mas prometo que farei o meu melhor.
- Eu não duvido disso Felipe. Já percebi que és bastante esforçado e você está se esforçando para se adaptar à nossa casa e aos nossos costumes.

Ao longo do dia Bernardo me mostrou como conduzir as ovelhas pelo pasto e como avaliar quais aquelas ideais para tosquia e abate, bem como o ciclo de reprodução necessário para manter o rebanho em número adequado para suprir a produção.
Depois de me explicar, durante boa parte do dia, os procedimentos realizados no pasto, Bernardo me levou a cavalo até os local da cidade onde eram comercializados os produtos advindos da ovinocultura: lã, leite e carne. Quando descemos do cavalo, nos dirigimos até um homem aparentemente bastante idoso, a quem Bernardo me apresentou.

- Bom Dia Silas! Eu quero te apresentar o meu novo ajudante, seu nome é Felipe.
- Bom dia Felipe. Muito bem meu jovem, espero que possas aprender muito com Bernardo, ele é um excelente pastor de ovelhas e uma pessoas muito íntegra.
- Assim espero senhor. Acho que posso aprender muito com ele mesmo.
- Bem, hoje eu trouxe bastante leite e carne Silas. Aqui estão.
- Que bom. Aqui está o pagamento. Até outro dia.
- Até outro dia Silas.

Quando saímos daquele local, caminhamos até um outro local onde Bernardo comercializava a lã retirada das ovelhas. Quando chegamos ao local, havia um senhor aparentando ter certa idade, embora um pouco mais jovem que o outro.

- Bom dia Arthur!
- Bom dia bernardo, quem é este jovem que te acompanha?
- Este é meu novo ajudante. Chama-se Felipe.
- Ah, sim. Muito prazer Felipe, me chamo Arthur.
- Muito Prazer, Felipe.
- Bom, hoje eu trouxe a lã que havias encomendado. E gostaria de encomendar algumas roupas pra ele como pagamento.
- Pra mim...mas..
- Não se preocupe Felipe, meu pai pediu que eu encomendasse algumas roupas pra você já que as suas estão inutilizáveis e você precisa usar algo que não seja do Luíz.
- Isso é verdade, ele tem sido muito gentil em me emprestar tantas das suas roupas.
- Pois é, agora você vai poder usa suas próprias roupas.
- Tudo bem. Eu retribuirei mais essa gentileza me dedicando ainda mais ao trabalho.
- Bem, então me acompanhe meu jovem. Deixe-me tirar as suas medidas para as roupas.

Quando Arthur terminou de tirar as medidas, Bernardo, que havia pacientemente me esperado algum tempo, disse que poderíamos voltar para casa, então montamos em seu cavalo e partimos. Porém, antes de chegar lá, eu lhe pedi que esperasse, então ele parou o cavalo, e, quando desci , anunciei que gostaria de conversar com ele sobre a noite anterior, em um feixe de coragem que surgiu em meu corpo.

A princípio ainda hesitei, porém, segui firme em meu propósito e disse a Bernardo o que estava sentindo por ele. Primeiramente, ele ficou sem reação e não verbalizou qualquer coisa, então, de repente, ele agarrou gentilmente minha mão e me puxou em direção ao seu peito. Naquele momento, todos os meu medos e até mesmo as defesas que inconscientemente eu tinha em relação a afetividade se esvaíram, pois se tornaram diminutos frente ao quanto eu me senti acolhido em seus braços. Após incomensuráveis segundos durante os quais ficamos abraçados, Bernardo me olhou profundamente nos olhos e, novamente, me beijou.


Diferente da primeira vez, esse beijo foi intenso, pois a energia que fluía através de nossos corpos imprimia àquele beijo toda o sentimento reciproco que tínhamos naquele momento, além disso, dessa vez, eu estava retribuindo o beijo e não totalmente sem ação como ocorrera anteriormente. Depois desse longo momento de entrega ao qual nos rendemos, Bernardo, sem parar de me olhar profundamente no olhos, finalmente falou algo:

- Felipe, eu me apaixonei por você desde o momento em que te vi caminhando sozinho e indefeso naquela floresta. É claro que eu teria salvo qualquer outra pessoa que estivesse naquela situação, mas algo aqui dentro me dizia que você era diferente. Algo me dizia que você era a pessoa certa pra mim.
- Eu nem imaginava Bernardo, confesso que me encantei por você desde aquele dia também, mas estava confuso se era apenas gratidão por você ter me salvado ou se eu, realmente, tinha me apaixonado. Mas ontem, quando você me beijou eu consegui entender que não era só gratidão, é um sentimento mais forte que isso.
- Eu estava envergonhado por ter agido daquela maneira, eu quase nunca sou impulsivo assim, mas estar tão próximo de você me fez passar dos limites. De qualquer forma, espero que me desculpe, pois eu nunca iria querer te levar a fazer nada que não quisesses.
- Bem, na verdade eu até te agradeço por ter feito, do contrário eu ainda estaria confuso. Então, muito obrigado por me fazer me apaixonar por você!

Ainda permanecemos conversando durante algum tempo, tentando esclarecer ainda mais o sentimento que nutríamos um pelo outro. Depois, Bernardo me alertou que não poderíamos demorar mais, pois o jantar, como de costume, só seria servido depois da nossa chegada.
Antes de entrarmos na casa, Bernardo me pediu que não comentasse sobre o que havia ocorrido para a sua família. Embora não tenha compreendido o motivo, pois eu sabia que sua família não era homofóbica ou tinha qualquer problema com esse tipo e relação, concordei em manter sigilo.
Realmente, como de costume, todos estavam a nossa espera para começar a refeição, sendo que o assunto da noite foi o meu primeiro dia de trabalho. Eu contei a todos o que havia feito e como tinha me saído nas tarefas, e a maioria também relatou os seus respectivos "primeiros-dias" de trabalho. O assuntou foi noite adentro, desde a cozinha até a sala, pois, além dos comentários, todos me presenteavam com conselhos. Mais uma vez aquela família me enchia de felicidade com tamanha atenção dada a esse pequeno fato ocorrido na minha vida, sendo que eu nem era, efetivamente da família. Para completar a felicidade eu ainda estava relembrando em minha mente o fato ocorrido com Bernardo, que de vez em quando me lançava um sorriso em meio a toda aquela gente falando.
Depois de muita conversa, todos se dirigiram aos seus quartos, exceto eu e Bernardo, que, prontamente à saída de todos da sala, segurou em minha mão e me levou até o sofá, onde ainda conversamos por mais algum tempo e trocamos algumas carícias e beijos, na maioria, tão intensos quanto aquele de algumas horas atrás.
Quando percebemos que estava ficando muito tarde, decidimos que deveríamos nos recolher para nossos quartos, afinal, na manhã seguinte, teríamos mais trabalho. Então, Bernardo me acompanhou até o meu quarto e nos despedimos com um doce beijo. Enquanto olhava ele ir em direção ao seu quarto ainda suspirava de emoção.
Após Bernardo estar fora do meu campo de visão eu entrei no meu quarto e deitei na minha cama, que, desde sempre, tinha sido o meu recanto de reflexão. Então, como de costume também, comecei a refletir sobre o que acontecera naquele dia: o modo como eu sai decidido a contar tudo a Bernardo, a minha frustração em ser interrompido por ele e a linda finalização quando finalmente consegui verbalizar os meus sentimentos por ele e, felizmente, fui correspondido.
Em meio a todos esses pensamentos, de repente, sobreveio a carga de trabalho daquele dia, que me deixara totalmente acabado. Então, com um sorriso no rosto, me entreguei ao sono justo e reparador, pra poder estar pronto no meu segundo dia de trabalho.

Na manhã seguinte eu e Bernardo tomamos café da manhã com os outros e, em seguida, fomos trabalhar. Ao longo do dia, eu o observei fazer as coisas que sempre fazia, primeiramente pra aprender com ele, mas também porque cada gesto ou movimento que ele fazia me parecia grandioso. Percebi naquele momento que estava completamente apaixonado por ele, mais do que pensava. Isso me deu um pouco de medo, pois, durante toda a minha vida, todas as coisas boas se esvaiam, não davam certo ou, pior ainda, eu dava um jeito de estragá-las.
Quando voltamos pra casa, a família toda já estava à mesa, como de costume, esperando-nos para começar a refeição. Durante o jantar, Luíz me perguntou se eu já tinha tido chance de visitar a cidade, fora das tarefas do trabalho, e, como eu respondera negativamente, me convidou para fazer um passeio depois do jantar.

- Eu tenho certeza que você vai gostar de sair um pouco de casa. Venha comigo e com o Henrique dar um passeio, ele vem daqui a pouco.
- Eu adoraria Luíz, mas isso me parece um encontro romântico e eu não ficaria muito à vontade.
- Eu também acho saudável que você faça algo além de ficar nesta casa e trabalhar Felipe. Já que você não se sente à vontade eu acho que o Bernardo não se importaria de ir com vocês, certo filho?
- Claro pai, sem problema algum! Eu vou com vocês nesse passeio, e a gente pode conversar enquanto eles estiverem namorando. Tudo bem pra você Felipe?
- Nesse caso, eu aceito. Obrigado Bernardo!

Quando Henrique finalmente chegou, Luíz prontamente deu a notícia a ele:

- Amor, tenho uma novidade! O Felipe e o Bernardo vão passear conosco hoje!
- Que legal! Vamos logo então, para não voltarmos tarde! Espero que gostes da cidade Felipe.

Durante o passeio na cidade, Bernardo ficou o tempo todo a meu lado, principalmente quando Luíz e Henrique estavam se beijando. Inclusive me chamou bastante a atenção o número de casais homossexuais que pude ver naquela noite, em meio a outros casais heterossexuais, de modo que  me arrisco a afirmar que o número era bem proporcional. Porém, o que me chamou ainda mais a atenção foi a liberdade de ser e estar naquele espaço enquanto um homossexual, ou ainda melhor, existir como alguém cuja sexualidade é menos relevante que outros aspectos. Aquela cidadezinha conseguia se mostrar, a cada dia, mais interessante pra mim, pois, percebi que se tratava de uma sociedade intocada pelo preconceito sobre a orientação sexual.
Enquanto eu refletia sobre esses aspectos, percebi que Bernardo não parava de me olhar e que os namorados estavam um pouco à nossa frente, então resolvi perguntar o motivo dele estar me fitando.

- O que foi Bernardo? Aconteceu alguma coisa?
- Não! Por que?
- Por que você não para de me olhar! eu estou ficando até um pouco encabulado!
- Desculpe! Mas é que eu vi você tão lindo perdido em seus pensamentos, que não pude deixar de observar! Sobre o que estava pensando?
- Eu estava observando a diversidade dos casais daqui e comparando com o lugar de onde eu venho.
- São muito diferentes? Você já recordou como veio parar aqui?
- Ainda não, e nem sei e vou conseguir recordar algum dia!
- Calma, um dia você vai se lembrar! Até lá você pode ficar aqui com a gente, eu adoraria que você ficasse!

Prontamente eu corei quando ele disse isso, e, logo em seguida, abri um enorme sorriso. Então, antes que eu pudesse dizer algo mais, Bernardo me beijou. Apesar de ter gostado muito, fiquei meio confuso, pois ele havia me pedido sigilo sobre o nosso beijo no dia anterior, mas estava me beijando na frente de várias pessoas.


- Bernardo, você não disse que queria manter isso em segredo?
- Na verdade, eu só quero que você ainda não fale nada para a minha família, pois eu quero fazer isso em uma ocasião especial. Eu não ligo para as outras pessoas da cidade e como o meu irmão está um pouco longe da gente eu não resisti.
- Ah, tudo bem então. Eu só estava um pouco confuso quanto a isso.
- Na verdade, eu também estava tentando ter coragem para te perguntar uma coisa antes de contar sobre o nosso beijo à minha família.
- Pode perguntar! o que é?
- Aqui não, tem que ser em um local mais reservado!

Perto do local onde estávamos, havia uma pequena capela, para a qual Bernardo me levou antes de dizer qualquer outra coisa. Quando chegamos lá, não havia ninguém, então Bernardo me pediu pra sentar em um banco, segurou bem firme a minha mão, inclusive eu podia sentir a sua mão tremer um pouco, sentou ao meu lado, olhou fundo nos meu olhos e disse:

- Felipe, eu sei que é um pouco cedo, mas eu queria muito te perguntar: Você quer namorar comigo?

Eu fiquei completamente sem saber o que fazer, apesar de já saber a resposta, então precisei me recompor rapidamente e responder a Bernardo antes que ele achasse que eu não queria ou ficasse magoado comigo.

- É claro Bernardo! é claro! Nossa, eu estou muito surpreso, porque eu não estava esperando, mas eu aceito do fundo do meu coração, nada me faria mais feliz nesse momento!
- Nossa, que bom que você aceitou! Eu estava nervoso com a possibilidade de você não querer ter um compromisso com alguém como eu!
- Alguém como você? Bonito, inteligente, talentoso, forte e gentil? Se eu não aceitasse, com certeza, eu seria muito estúpido!

Nós nos beijamos para celebrar o nosso recém-firmado compromisso e depois saímos para procurar Henrique e Luíz. Eu fiquei maravilhado com o modo como ele me pediu em namoro, dentro de uma igreja onde estávamos apenas nós, com a benção de Deus. Eu confesso que nunca fui muito devoto antes, mas aqueles dias que estava passando ali estavam sendo tão perfeitos, que eu não conseguia deixar de pensar em uma intervenção divina, principalmente pelo fato dele ter escolhido um templo pra fazer o pedido.
Quando encontramos o irmão dele, fomos indagados sobre onde estávamos, mas Bernardo deu um desculpa de que estávamos sentados em algum lugar descansando. Depois disso, ainda andamos um pouco pela cidade, até que Henrique disse que estava ficando tarde e retornamos para casa.
Ao chegarmos em casa, eu e Bernardo subimos para os nosso quartos, pois estávamos realmente muito cansados, e Luíz ficou na sala se despedindo de Henrique. Antes de ir dormir, eu e Bernardo ainda conversamos um pouco na porta do meu quarto.

- Espero que tenhas gostado da noite! Eu adorei muito estar com você!
- Eu também gostei muito da sua companhia. E quanto ao que você disse antes, sobre eu ficar aqui, acho que mesmo se me lembrasse como vim parar aqui não gostaria de ir embora! Você e sua família estão me fazendo muito feliz!
- Que bom, porque você é muito querido aqui e eu jamais ia querer te ver longe de mim! Olha, a gente vai contar juntos à minha família do nosso compromisso, tudo bem?
- Tudo bem! Até lá eu prometo que guardo segredo.
- Obrigado! Então, boa noite! Te vejo amanhã.
- Boa noite, durma com os anjos!

Fiquei observando, novamente, Bernardo ir em direção ao seu quarto e, quando ele entrou eu já ia fechar a minha porta, mas Luíz me impediu. Levei um susto quando ele fez isso, então, antes que eu pudesse falar alguma coisa ele disse:

- Felipe, eu ouvi tudo! Você e meu irmão estão namorando então?
- Sim, é verdade! Mas não conte a ninguém, por favor! Ele quer contar a todos em uma ocasião especial!
- Bem, amanhã é aniversário dele, acho uma ocasião apropriada para isso!
- Sério? Eu não sabia! Precisamos fazer alguma coisa amanhã pra comemorar!
- Não se preocupe Felipe, o meu pai já está organizando tudo, amanha teremos uma festa muito especial para ele. E quanto ao segredo de vocês, fique tranquilo também, eu não vou dizer nada, quero apenas lhe dar meus parabéns, pois o meu irmão é uma pessoa muito boa e acho que você faz bem a ele. Eu estou muito feliz que vocês estão juntos cunhado!
- Muito obrigado Luíz! Você também faz parte disso, aquele seu conselho me fez refletir sobre o que eu sentia por Bernardo.
- Que bom que o meu conselho serviu, fico feliz. Bom, o que eu tinha pra lhe dizer era isso, então boa noite!
- Boa noite!

Mais uma vez o dia terminara ainda melhor do que começara, isso me deixou muito contente e muito ansioso ao mesmo tempo, pois eu simplesmente não conseguia acreditar que as coisas estavam tão perfeitas. Mas eu preferi ser otimista e acreditar que eu também merecia coisas boas, então deitei e dormi, esperando ansiosamente pelo próximo dia, o aniversário de Bernardo.

Logo quando acordei, o primeiro pensamento que me veio à cabeça foi o quão especial seria aquele dia se fosse possível associar a reunião de família em ocasião do aniversário de Bernardo ao anúncio de nosso namoro.
Depois de tomar banho e me arrumar para outro dia de trabalho, desci até a sala para esperar Bernardo, porém estranhei quando não o encontrei lá e mais ainda quando ele não apareceu, depois de decorrido algum tempo, então resolvi procurá-lo no seu quarto. Quando cheguei lá, bati na porta, porém não obtive resposta, de modo que resolvi abri-la, e eis que quando entrei no quarto encontro Bernardo ainda deitado, então caminhei até  a sua cama e toquei levemente nele.




- Bernardo!
- Oi Felipe...
- Aconteceu alguma coisa? estava te esperando para irmos trabalhar.
- Desculpa, não estou me sentindo bem hoje, acho que não poderei ir.
- Nossa, você realmente está muito quente, eu vou chamar alguém para providenciar um médico.
- Obrigado!

Quando toquei em Bernardo para averiguar se ele estava com febre, fiquei muito preocupado com a temperatura do seu corpo, portanto corri até o quarto do seu Manoel para avisá-lo, a fim de que ele providenciasse algum tipo de assistência para ele. Depois de algum tempo batendo na porta do quarto, ele respondeu e me acompanhou até o quarto de Bernardo, depois chamou um médico de família para examiná-lo, o qual o diagnosticou com uma virose, que necessitava de bastante repouso, boa alimentação e muito liquido, de modo que, evidentemente, inviabilizava a festa de aniversário planejada para Bernardo.Particularmente, eu fiquei frustrado com a noticia, pois queria aproveitar essa oportunidade para oficializar nosso compromisso, mas também achei interessante, pois pude ficar cuidando de Bernardo durante boa parte do dia, já que o seu Manoel levou Luíz para trabalhar com ele e as  suas irmãs levaram o avô para fazer algumas compras na cidade.
Olhá-lo daquela forma, vulnerável, me fez enxergar Bernardo de outra forma, pois foi diferente vê-lo sem todo o seu porte viril, deitado em uma cama. Para ser sincero, eu nunca fui um exímio cuidador, porém, quando o vi naquela situação, algo se mobilizou dentro de mim, de modo que a única coisa em que conseguia pensar era o quanto eu desejava cuidar para que ele se recuperasse o mais rapidamente possível.
Ao longo do dia, eu providenciei para que Bernardo estivesse bem alimentado, hidratado e confortável, além disso, aproveitei a privacidade que tínhamos naquele momento para fazer carinho e observá-lo. Definitivamente, eu não queria, nem por um segundo, estar em outro lugar que não fosse ao lado dele, pois, provavelmente, isto seria devastado, visto que estava tão apaixonado e, quanto mais eu convivia com ele, sentia-me mobilizado de tantas formas, que me faziam sentir tão bem.
Assim que a família de Bernardo chegou eu me retirei para o meu quarto, para que ninguém percebesse o nosso envolvimento, tal como ele queria, e , antes de dormir, fui ao quarto dele para desejar boa noite, depois que todos haviam saído de lá.

- Oi...como é que você está se sentindo?
- Muito melhor! Obrigado por ter ficado o dia todo cuidando de mim...eu sei que eu devo ter dormido a maior parte do tempo, mas eu adorei que tenhas passado o dia ao meu lado.
- Não há o que agradecer, eu adorei ficar tanto tempo a teu lado sem ter que me preocupar em manter nosso namoro em segredo!
- Você ainda quer me namorar depois de me ver tão mal nessa cama? mais feio do que nunca!
- Eu quero te namorar mais do que nunca Bernardo! Estou me apaixonando cada dia mais por ti!
- Que bom Felipe, eu também estou cada dia mais apaixonado, e, depois de hoje, não há qualquer dúvida de que você é perfeito para mim!
- Bem, agora eu vou te deixar descansar mais, para que amanhã você acorde ainda melhor! Boa noite! Durma bem!
- Boa noite! Durma bem você também!

Depois de sair do quarto de Bernardo, eu caminhei até o quarto de Luíz para ver se ele ainda estava acordado, para contar a ele como me sentia naquele dia, pois, eu o enxergava como um confidente, porém ele já estava dormindo, então me dirigi ao meu quarto. Como de costume, refleti sobre o meu dia e, logo depois, caí no sono.
No outro dia, quando desci para tomar café da manhã encontrei a família já reunida, incluindo Bernardo, que apresentava feições bem mais salutares, porém, eu não imaginava a surpresa que me esperava. Imediatamente após eu sentar à mesa, Bernardo se levantou e pediu a atenção de todos que estavam lá.

- Família, eu tenho um anúncio muito importante a fazer...eu tinha pensado em uma ocasião mais especial, mais ontem eu percebi que não é a ocasião em si que fará esse momento especial e sim a presença de todos que eu amo, então, sendo assim, eu queria compartilhar com vocês que eu e o Felipe estamos namorando!

Eu fiquei sem reação diante de tamanha surpresa e muito apreensivo em relação ao que o restante da família pensava sobre aquele anúncio, mas antes que eu pudesse entrar em pânico, seu Manoel se pronunciou sobre o assunto.

- Meu filho, eu sempre te considerei um rapaz inteligente, perspicaz, decidido e responsável, então eu não ouso duvidar do seu julgamento em relação a se envolver com o Felipe, que é um rapaz que acolhemos aqui e que tem se demonstrado uma boa pessoa e um rapaz de excelente caráter. Então, com certeza, vocês tem a minha benção!

As irmãs de Bernardo, Paula e Juliana, respectivamente, também se pronunciaram sobre o assunto, o que aumentou minha surpresa, pois eu nunca tinha conversado com elas, tal como fazia com Luíz, embora sempre tenha sido muito bem tratado por elas.

- Meus parabéns ao dois, eu realmente espero que dê tudo certo pra vocês! Meu irmão estava precisando de alguém como você na vida dele Felipe!
- Realmente, o Bernardo merece alguém que o faça muito feliz Felipe, então seja bom para ele e você terá todo o nosso carinho e respeito.

Eu estava extremamente emocionado com a situação, foi tanta aceitação por parte de toda a família que eu nem sabia o que dizer, principalmente depois que o Luíz e, finalmente, o avô de Bernardo se pronunciaram:

- Cunhado, você sabe que desde o começo eu apoio incondicionalmente o envolvimento de vocês, pois, desde que você chegou nessa casa eu sinto que o meu irmão está mais feliz e radiante com a vida, o que denota o quanto você está fazendo bem a ele. Pra mim isto é tudo o que importa, sejam muito felizes juntos!
- Meus filhos, vocês são jovens e livres para tentarem ser felizes juntos. Eu espero que a relação de vocês dê certo e que você sejam almas gêmeas, que se encontraram de uma forma tão inesperada por ação do destino. Felipe, nós ainda não nos conhecemos muito bem, mas, como disse o meu neto Luíz, se você está fazendo bem ao Bernardo isto é tudo o que importa pra mim também.

Depois de ouvir tudo aquilo eu ainda estava sem ação, na verdade me controlando para não chorar de emoção na frente de todos. Então o seu Manoel se dirigiu a mim:

- Você quer dizer alguma coisa Felipe?
- Olha...eu só tenho a agradecer a todos você, primeiramente por me acolherem aqui, mesmo eu sendo um total desconhecido, e segundo, por me darem as suas bençãos quanto ao meu namoro com o Bernardo, pois de uma forma bem singular eu me apaixonei por ele e quero muito fazê-lo feliz! É isso o que eu tenho pra dizer, novamente, muito obrigado pelo apoio de vocês!

Para completar a surpresa, quando eu terminei de falar, Bernardo estava a meu lado e, inesperadamente, me beijou na frente de todos. Depois ele me abraçou forte, e eu senti como se naquele momento eu estivesse completo, pois finalmente tinha encontrado a minha minha alma gêmea.


Anterior                                                   Próximo

5 comentários:

  1. Parabéns pela linda história, conheci o blog recentemente e espero que possa crescer sempre mais. Como o Bernardo é fofo ^~

    ResponderExcluir
  2. Ahhh que fofo!!! Ameei!

    ResponderExcluir
  3. Estou amando esse blog... Qnd começo a ler não consigo mais parar.

    ResponderExcluir
  4. Linda historia esto ansioso para ler o proximo capitulo!

    ResponderExcluir
  5. Que lindo!!! Como eu queria viver um amor �� desse parabéns pelo conto. Que tá vendo em 2015?

    ResponderExcluir

O que você achou?
Dúvidas? Opiniões?